Equatorial Pará investirá, em 2023, mais de 5 milhões de reais em cultura

Distribuidora de energia apoia projetos culturais, através das Leis Semear e Rouanet, com o intuito de democratizar a arte no estado.

Foto: Divulgação

A Equatorial Pará é uma das empresas que mais investem em cultura no Pará. Em 2023, a distribuidora de energia continuará a apoiar iniciativas que visam a valorização artística do estado, através da plataforma E+ Cultura. Neste novo ano, até o momento, a empresa será a patrocinadora de 36 projetos, que, juntos, somam um investimento de mais de 5 milhões de reais.

De acordo com Michelle Miranda, analista de Sustentabilidade da Equatorial Pará, os trabalhos patrocinados abrangem as mais diversas formas de arte, do teatro ao audiovisual, da música ao folclore, e buscam democratizar o acesso à arte em todas as regiões do Pará.

“Quando escolhemos os projetos que vamos apoiar, avaliamos sempre a forma positiva que ele vai impactar na realidade cultural da nossa região, então, prezamos pela itinerância, transformação social, a valorização artística e a geração de renda, por exemplo. São diversos eventos culturais como a realização de shows, exibição de filmes, peças de teatro, exposições, etc. Outro fator relevante é a acessibilidade, pois sempre buscamos facilitar nossas atividades a todos os cidadãos”, destaca Michelle.

Um desses projetos é o Ame os Animais, que tem como foco a conscientização sobre a causa animal e a posse responsável de animais de companhia. A iniciativa, que será realizada em 2023, em diversas cidades do Pará, terá feiras de adoção, palestras, apresentações de grupos musicais, desfile animais para adoção e arrecadação de doações para parceiros.

“Empresas como a Equatorial Pará ajudam a viabilizar esses projetos, nos permitindo proporcionar mudanças em camadas que não chegávamos antes. A realização de eventos como esse tem grande impacto social, e, também, incentivam e conscientizam a população da importância da sua atuação como cidadão”, destaca Bárbara Castro produtora do projeto.

Outro projeto patrocinado em 2023 será o Prêmio Amazônia de Música, que vai contemplar artistas que lançaram trabalhos como álbuns, singles e videoclipes no biênio de 2021-2022, em diversas categorias e estilos musicais.

“A sonoridade do Pará é diversa. Por isso, ritmos como a música paraense, a aparelhagem, o samba, o sertanejo e o hip-hop estarão na premiação. Em outros estados existem eventos nesse formato, mas nossos artistas não conseguem espaço, então criamos uma premiação nossa, com a nossa cara, e a Equatorial Pará embarcou nessa iniciativa que, acima de tudo, valoriza e potencializa nossos artistas”, frisa Arthur Espíndola, produtor cultural.

Inscrição

A Equatorial Pará patrocina projetos culturais tanto pela lei de incentivo estadual, a Semear, quanto pela federal, a Rouanet. Então, para os produtores culturais que buscam captação é necessário que estes possuam uma carta de uma das leis.

A inscrição dos projetos pode ser realizada por meio do site projetosequatorial.com.br. Durante o ano todo, a empresa recebe as propostas, que, depois de cadastradas, são avaliadas pelo comitê de sustentabilidade da distribuidora de energia.

Histórico

Desde 2019, quando começou a patrocinar iniciativas pelas leis de incentivo, a empresa já apoiou mais de 70 projetos, com um investimento de cerca de 130 milhões de reais, inclusive durante a pandemia de covid-19, que impactou diretamente os fazedores de cultura do Pará.

Entre os projetos patrocinados em anos anteriores estão, por exemplo, o Arraial do Pavulagem, Círio de Nazaré, Arraial, Çairé, Fora da Caixa, Festival do Carimbó, Festribal, Talentos Pará, Gastronomia do Amanhã e outros.

Para Michelle Miranda, esse apoio robusto mostra o quanto a empresa está comprometida não apenas em oferecer um serviço de distribuição de energia de qualidade para todo o Pará, mas, também, há o compromisso com o desenvolvimento cultural e social do estado.

“Um dos pilares da Equatorial Pará é o desenvolvimento sustentável. O estado é rico em arte e é nosso compromisso fortalecer e difundir a cultura para todas as regiões. Sabemos do importante papel social que a empresa cumpre e buscamos, cada vez mais, fazer com que todos os paraenses possam ter acesso à arte e cidadania”, finaliza Michelle Miranda.

Com informações da assessoria